“Do The Birds Still Sing in Hell?” A História de um Homem que Nunca Deixou de Amar.

Por Isabela Albertini Yagi, 3B3.

“Nascido em dezembro de 1918 na Inglaterra, Horace Greasley trabalhava como barbeiro na pequena cidade onde nascera quando a Alemanha invadiu a Tchecoslováquia. Então com vinte anos de idade, ele decidiu abandonar seu emprego e servir seu país como soldado, mesmo tendo a possibilidade de ser dispensado se entrasse para o corpo de bombeiros local.

Após sete semanas de treinamento, Horace foi mandado para a França, onde ele e seu batalhão foram logo capturados, no dia 25 de maio de 1940. Os prisioneiros foram forçados a andar por dez semanas, da França à Bélgica, e a fazer uma viagem de trem, na qual vários morreram de disenteria, devido à precariedade da higiene. Ao chegar à Polônia, ele foi mandado para um antigo celeiro usado na primeira guerra mundial, onde os prisioneiros sofriam com o frio intenso, a falta de comida e constantes torturas. O próprio Horace chegou a ficar muito perto da morte após ter sido espancado por soldados.

O romance com Rosa Rauchbach começou no segundo campo de prisão de militares em que ficou preso, na Silésia, no norte da Alemanha, onde era mantido sob condições melhores do que na Polônia. Ela, então com 17 anos, era filha do diretor de uma mina de mármore anexa ao campo, e trabalhava como intérprete. A atração entre os dois jovens foi imediata, e estes logo começaram a se encontrar em oficinas, dormitórios ou qualquer lugar onde não seriam vistos.

Nem a transferência de Horace para um outro campo de militares a 65 quilômetros de distância impediu o namoro, que contou com a ajuda de várias pessoas para continuar. Eles passaram a se comunicar por bilhetes, que eram entregues por homens que iam cortar o cabelo com Horace. Dessa forma, Rosa conseguia avisar quando era enviada para trabalhar em locais próximos. Havia poucos soldados guardando as saídas, já que o país neutro mais próximo era a Suécia, 680 quilômetros ao norte, o que tornava tentativas de fuga inúteis. Mas não para Horace, que escapou mais de 200 vezes, escondendo-se entre outros homens que iam trabalhar fora do campo, ou à noite, pela janela de seu quarto, cujas barras, ele descobriu, podiam ser retiradas. Nos encontros, que aconteciam numa floresta próxima, Rosa trazia comida, que era depois dividida com os demais presos, e até peças que permitiram que Horace montasse um rádio, pelo qual ele e seus companheiros ouviam à BBC e assim, se mantinham informados sobre a guerra.

Na véspera de completar cinco anos sob captura, no dia 24 de maio de 1945, os soldados alemães fugiram, e o campo de Horace foi encontrado pelos russos. Já de volta à sua cidade, o casal chegou a trocar algumas cartas, mas poucos meses depois, ele parou de receber notícias. Passado um ano, Horace recebeu uma carta de uma amiga de Rosa dizendo que ela morerra num parto, em dezembro de 1945, junto com a criança.

Horace Greasley morreu aos 91 anos na Espanha, onde morava com a segunda mulher, deixando dois filhos e sua história de superação e esperança, contada por ele num livro que foi escrito com a ajuda do autor Ken Scott, intitulado “Do the Birds Still Sing in Hell?”. Neste, ele narra sua decisão de se alistar, o sofrimento durante a guerra, o choque da notícia da morte de Rosa e os anos que se seguiram.”