Eternamente Elis

Publicado em 21/05/12

Houve uma época na música popular brasileira que para cantar, por incrível que pareça, era necessário ter voz. Era o tempo de Elis Regina. Intérprete impecável aliada a uma voz de fazer inveja a qualquer instrumento, Elis Regina reinou nos anos 60 e 70.

Na USP, uma pesquisa recente da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) investigou a carreira da intérprete durante as décadas de 1960 e 70. Na dissertação de mestrado “Em busca do ‘Falso Brilhante’ – Performance e projeto autoral na trajetória de Elis Regina (Brasil, 1965 – 1976)”, a historiadora Rafaela Lunardi mostra como a artista mudou de perfil ao longo de sua carreira, transformando-se em símbolo do discurso ideológico ao final dos anos 70. Além disso, de acordo com a pesquisadora, Elis contribuiu para o estabelecimento do gênero MPB, a Música Popular Brasileira. “Nos anos 60, ela foi uma espécie de porta-estandarte da música brasileira, e posteriormente uniu o samba, o baião, a bossa nova e a marcha ao pop, ao rock e ao soul, passando por todas as fases e dialogando com as diversas demandas do mercado de música no Brasil”,

http://espaber.uspnet.usp.br/jorusp/?p=20029

Para lembrar um pouco de Elis, ouçam

/files/2012/05/Romaria-Elis-Regina1.mp3

 

Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto o Band é legal!

mais de Ciências Humanas