A visita do presidente Obama vista por vocês

 

Antes das provas bimestrais de abril, a Isabella Alchorne (3H3) e a Nathalia Fukunaga (3H2) me mandaram um texto com um olhar crítico sobre a recente (março passado) visita do presidente dos Estados Unidos ao Brasil. Pois aí vai o texto, com algumas modificações para caber neste espaço reduzido. 

“A vinda do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, no Brasil foi aguardada com muita expectativa e desconfiança. Por um lado, os anseios brasileiros de que a chegada de Barack Obama. Por outro, o presidente dos EUA com um discurso hábil em prol da união entre os países. (…) O presidente estadunidense começou o seu discurso proferindo palavras em português, agradecendo-os por terem perdido o jogo do Botafogo contra o Vasco para ouvi-lo. Em uma interpretação radical: “vocês só se interessam por futebol.” Outro ponto foi apelar dizendo que “D. Pedro foi o primeiro brasileiro a ir aos EUA”, o que quer dizer que brasileiros e americanos têm uma grande ligação. Barack Obama igualou os dois países quando disse que ambos podem progredir juntos, e, além disso, praticar uma política internacional juntos. O que é o mais engraçado é que não existe nenhuma igualdade entre os dois países. O Brasil é um país emergente, os EUA, desenvolvido. O Brasil usa meios sustentáveis para consumo de energia, os EUA, em contrapartida, são um dos maiores países poluidores do mundo. Além disso, não no dia do seu discurso no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, mas no dia anterior, o da reunião com a presidente, Obama ordenou os ataques militares contra a Líbia em Brasília, próximo à Praça dos Três Poderes. O presidente dos Estados Unidos nem se deu ao trabalho de ir à Embaixada americana. Portanto, todo esse formidável discurso deve ter uma análise crítica a ser feita. Será que um país que contém um histórico como o dos EUA pode mudar de um dia para outro?. Por isso, se os EUA querem igualdade e progresso, como afirmou seu presidente ao citar as palavras do renomado escritor Paulo Coelho “com a força de nosso amor e nossa vontade podemos mudar nosso destino”, eles devem antes mudar suas atitudes para que depois possam cobrar de outros países. Só pode cobrar aquele que cumpre o que cobra.”

Tenho certeza que a opinião delas é a mesma de muitos de vocês.