A Reforma política

Há algum tempo discute-se a necessidade de uma reforma política no Brasil. Uma das propostas é a de acabar com o atual sistema do voto proporcional substituindo-o pelo voto majoritário. No sistema proporcional vale o chamado quociente eleitoral, fórmula que leva em conta não apenas o desempenho dos indivíduos nas urnas, mas também o de seus partidos. Já no sistema majoritário vencem os candidatos mais votados. Por exemplo, na Câmara dos Deputados, o Estado de São Paulo possui 70 vagas, ou cadeiras. Pelo sistema majoritários os 70 primeiros colocados seriam os eleitos.

O cientista político Jairo Nicolau na edição de 06 de fevereiro de 2011 no jornal Estado de São Paulo afirma que “O sistema majoritário na eleição para a Câmara dos Deputados, com os chamados distritões, é uma excrescência do ponto de vista eleitoral. Seria um retorno ao que vigorava no século 19. Era um modelo tão absurdo que foi abandonado. Não merece ser levado a sério”.

Atualmente só 3 países adotam o sistema majoritário, o Afeganistão, a Indonésia e a Jordânia.