Cultura Negra

A presença africana na História do Brasil é de fundamental importância, não só econômica, mas também no aspecto artístico e cultural. O site www.cultne.com.br é um portal que disponibiliza imagens da luta do movimento negro por direitos iguais nos últimos trinta anos e seu prinicpal objetivo é tornar-se o maior acervo digital da cultura negra brasileira.

Lula e a política externa brasileira

O embaixador Samuel Pinheiro Guimarães é o Ministro de Assuntos Estratégicos do governo do presidente Luís Inácio Lula da Silva. Para muitos, ele é arquiteto da política externa posta em prática pelo atual governo brasileiro. Secretário Geral do Itamaraty entre 2003 e 2009, o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães é diplomata de carreira e autor de diversos livros, como “500 anos de Periferia” da editora Contraponto.

Para saber mais

Torre Japonesa

Torre Japonesa - Bruxelas século XIX

A imagem acima é da “Torre Japonesa”, um magnífico edifício do século XIX construído no meio de um jardim em estilo japonês, localizado no centro de Bruxelas. Seu dono, o rei Leopoldo II, tinha muito bom gosto…

Troféus de guerra

Neste fim de semana eu li que o Brasil está em negociações com o Paraguai para devolver um canhão paraguaio (EL Cristiano) da época da Guerra do Paraguai (1864 a 1870). Outra notícia trazia comentários envolvendo gregos e iranianos  devido ao fato que tesouros históricos desses países estão nas mãos  dos museus ingleses. Qual é a opinião de vocês sobre a devolução ou não desses objetos históricos aos seus países de origem?

Para ler no site do O Estado de S. Paulo

Intolerância

Acabo de ler no EL País da Espanha um artigo sobre uma série de ataques a grupos cristãos em alguns países do mundo, muçulmanos ou não. O artigo levanta o problema da intolerância. Eu pergunto a mim mesmo e a vocês: devemos nos preocupar com a intolerância hoje em dia, em nossa sociedade? Já ultrapassamos a fase do discurso e somos realmente tolerantes?

Leiam o artigo em http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/elpais/2010/03/14/serie-de-ataques-contra-cristaos-no-mundo-islamico-causa-preocupacao.jhtm

Estado Capitalismo e Liberalismo

Estado capitalismo e liberalismo são convergentes? Em recente palestra, citada na Folha de S. Paulo de 10 de março de 2010,  o professor Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente,  disse que a discussão no Brasil é se haverá capitalismo burocrático-corporativo ou de competição . Numa sociedade em que o Estado é enorme e vai continuar sendo, é preciso valorizar as liberdades individuais, afirmou o professor Fernando Henrique Cardoso.

Em contra -partida, na Folha de S. Paulo de 11 de março de 2010, o sociólogo Francisco Oliveira  afirmou que o “capitalismo de FHC é de museu” e que  ” o ex-presidente acerta ao apontar riscos do corporativismo sob Lula, mas omite seu governo”. Já para o economista Carlos Lessa, ao contrário do que disse Fernando Henrique Cardoso, ” o problema não é o tamanho do Estado, mas sua pouca transparência”.

Uma Terra de ninguém?

No jornal O Estado de S. Paulo de , 07 de março de 2010, no caderno ALIÁS, o astrônomo e professor de Cosmologia e Astrofísica da Universidade Cambridge e presidente da Royal Society, MARTIN REES, afirmou que a pior catástrofe não são os terremotos, mas sim a onda de desleixo que avassala o nosso planeta. O professor Ress, embora torcendo para perder, aposta que até 2020 um evento bioterrorista ou um bioerro poderá matar 1 milhão de pessoas. Sobre a possibilidade da Terra não ter condições de manter uma população de 8 bilhões em 2050 o professor Ress afirma que a capacidade do mundo depende do nosso estilo de vida, mas nunca será possível a Terra abrigar 8 bilhões se as pessoas viverem como os americanos. O que vocês acham?

Para ler mais

Marxismo obsoleto

Nesta semana encerramos as aulas sobre a teoria que Marx e Engels desenvolveram a duras penas. 

Após a queda do Muro de Berlim e o fim da URSS (1989 e 1991, respectivamente) muitos pensadores afirmaram a morte do socialismo enquanto forma de organização social e política, bem como da teoria marxista, que passou a ser interpretada como um grande engano histórico, um desvio desastrado do Iluminismo ou ainda, como alguém que eu não lembro disse, “a maior das utopias coletivas”.

 Em certo sentido as obras de Marx são datadas. Produto de um determinado contexto existente no século XIX. Entretanto, será possível que as experiências baseadas no marxismo ocorridas no século XX  invalidam toda a obra de Marx e Engels? Não é mais  possível pensar na atualidade do marxismo? Será que datado significa obsoleto?  As idéias de Marx e Engels perderam a importância para quem se dispõe de alguma forma a melhorar a vida neste planeta?

Acho que vocês que leram o Manifesto Comunista têm muito a dizer sobre estas questões e sobre outras que eu nem cogitei.

A Argentina, as Malvinas e o Nacionalismo

Semana passada trabalhamos um texto que tratava do Nacionalismo. Por uma coincidência dessas que só a História produz, vinte e oito anos após a Guerra entre Argentina e Inglaterra, as ilhas Malvinas voltam ao noticiário, mais uma vez como centro da disputa entre os dois países. O governo Argentino, afundado em uma crise como em 1982, voltou a pleitear a posse do arquipélago, justo quando uma empresa britânica parece estar prestes a explorar o petróleo que (alguns dizem) existe na região.
Pensando no que aprendemos sobre o Nacionalismo com o texto de Hobsbawn, leiam a reportagem sobre o assunto no seguinte link: http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,o-mundo-olha-para-as-malvinas,517295,0., e reflitam sobre os limites deste conceito, bem como sobre os interesses que muitas vezes o acompanha.